Entenda como fenômeno La Niña afetará o clima no Estado de Santa Catarina

data 7 de junho de 2024

Ocorrências de neve em SC estão reduzindo a cada ano; meteorologista afirma que aquecimento global não é o principal fator

Em 28 de março deste ano, o município de São Joaquim se preparou para registrar a primeira queda de neve em SC em 2024. Porém, o alerta emitido pelo Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia) frustrou os catarinenses, pois a quantidade de neve que caiu na região foi rápida e fraca.

Em 14 de julho de 2023, a expectativa pela neve também era grande, no entanto, pouco nevou na região Serrana. Municípios como Urubici e São Joaquim registraram o tímido fenômeno.

No dia 28 de maio, a temperatura da região marcou 5°C durante a tarde, segundo a agência meteorológica MetSul. O Inmet mais uma vez divulgou nota sobre a possibilidade de nevar, mas houve apenas ocorrências de geadas na região.

Por que cai neve em SC?

De acordo com o meteorologista Piter Scheuer, o frio polar vindo da Argentina e do Uruguai é o principal responsável pela ocorrência de neve em Santa Catarina.

“Com temperaturas extremamente baixas, a atuação de um ciclone extratropical no oceano Atlântico é responsável por transportar a umidade e o ar frio em altitude. Isso favorece a ocorrência de neve no Estado”, explica Scheuer.

O meteorologista explica que nos meses de junho e julho Santa Catarina recebe as primeiras massas de ar do frio polar. “É um inverno dentro da normalidade”, aponta Scheuer.

Neste ano, Scheuer afirma que Santa Catarina terá duas ou três massas de ar polar. “Um ou dois episódios de neve a gente pode ter este ano aqui. A gente vai ter precisão disso à medida que o inverno vai se aproximando”.

A neve em SC está acabando? Entenda!

Santa Catarina teve pouca incidência de neve no último ano. No entanto, contrariando algumas hipóteses, o aquecimento global não é o responsável pela redução de ocorrências de neve em SC e ela não vai acabar, diz Scheuer.

“O aquecimento global aumenta os extremos meteorológicos. Ora vamos ter muito frio, ora vamos ter muito calor. Vai ter ano que vamos ter muito calor e vamos ter menos neve”, destacou.

Segundo Piter Scheuer, a previsão para o próximo ano promete ser de um inverno mais rígido e, provavelmente, o Estado terá temperaturas mais dentro dos padrões de inverno.

“Esse ano não será tão rígido porque o (fenômeno) ‘La Niña’ está começando atuar agora, mas o ano que vem vai ser mais cheio”, destaca o meteorologista.

“Aquecimento global existe e existe o resfriamento global também. Mas é o mesmo padrão: é o que está dominando as condições meteorológicas e climáticas, ou seja, o fenômeno ‘La Niña’ que vai atuar nesses próximos meses”, pontua Scheuer.

O meteorologista explica que a neve deve continuar acontecendo em Santa Catarina. “Sempre vai ter episódios de neve. Vai ter um ano ou outro que até pode falhar”, afirma.

Maior nevasca em Santa Catarina foi em julho de 1957, em São Joaquim

O maior episódio de neve em Santa Catarina ocorreu no mês de julho de 1957. O município de São Joaquim registrou sete horas seguidas de nevasca ininterruptas na época.

A cidade ficou toda coberta de branco e foi necessário o envio de aviões para enviar socorro e levar mantimentos em algumas áreas da região. Os termômetros da cidade marcaram -9ºC naquele mês.

As estradas do municípios ficaram bloqueadas e os telhados das residências acumularam cerca de 20 centímetros de neve em São Joaquim, no ano da maior ocorrência de neve em Santa Catarina.

Este ano, ainda não houve ocorrência de neve no Estado catarinense. Os últimos anos em que uma boa quantidade de neve caiu em SC foram nos anos de 1994, 2000, 2010, 2013 e 2017, segundo o meteorologista.

Fonte: ND Mais

Veja também

Desenvolvido por AUIN Tecnologia