Avaliação neuropsicológica em adultos

data 20 de fevereiro de 2024

Qual a importância e o que muda na vida de quem passa pelo processo?

A cada sessão realizada para avaliação neuropsicológica com o público adulto, minha realização é perceber o quanto a própria avaliação em si já mexe com a pessoa que está sendo testada. Ouço relatos sobre a percepção de conhecer seus limites e particularidades e o quanto ficam reflexivos com questões sobre as quais nunca tinham parado pra pensar.
Na devolutiva dos resultados da avaliação é muito gratificante ver o paciente tomando consciência das suas vulnerabilidades, dificuldades, percebendo-se por completo, compreendendo os pontos fortes e fracos e entendendo o seu funcionamento cognitivo sem o olhar de julgamento e crítica, numa mudança significativa para seu próprio acolhimento. A avaliação mostra a importância de conhecer suas habilidades em prejuízo e as preservadas, e se existe a possibilidade de transtornos, como por exemplo o TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção/Hiperatividade), TEA (Transtorno do Espectro Autista), Transtorno Depressivo, TAB (Transtorno Afetivo Bipolar), TAG (Transtorno de Ansiedade Generalizada), Transtorno de Personalidade Borderline… enfim, transtornos que mexem muito com a dinâmica funcional do dia a dia.
Ver nos olhos do paciente a emoção de receber um resultado que o faça compreender “o porquê” das disfuncionalidades, desregulação emocional, impulsividade e desmotivação social, o faz compreender os desafios que passou na infância, na adolescência e na vida adulta. Como eles mesmos relatam, é ver a montagem de um quebra-cabeça que não se encaixava e agora passa a ter o encaixe perfeito em outro formato.
“Agora tudo começa a fazer sentido, eu não era aquele burro que todos diziam que não daria nada na vida”!
Então, se você é um adulto em conflito, que não consegue se aprofundar nas atividades, que inicia e não termina, que está medicado por alguma questão emocional há muito tempo e percebe que ainda assim não melhora e não evolui, tem limitações nas interações sociais desde criança, procrastina ou se percebe realmente diferente, procure uma avaliação neuropsicológica para ter a dimensão cognitiva e emocional dos prejuízos e habilidades que possui.
Autocuidado, autoconhecimento é uma questão de saúde mental!
Então, cuide-se!

Veja também

Desenvolvido por AUIN Tecnologia