Uma vida dedicada aos sons e melodias

Por: Priscilla Millnitz Pereira Foto: Arquivo Pessoal
Compartilhe

O apartamento onde Fabrícia Piva mora em Joinville é um verdadeiro refúgio para os amantes de música. É lá que, em meio a instrumentos musicais, equipamentos de gravação e uma infinidade de livros e materiais relacionados ao tema, ela encontra inspiração para seus trabalhos e aproveita para reunir grupos de amigos para tocar. O lugar foi pensado especialmente para tornar tudo isso possível, com direito a sistema de som espalhado por cada canto do imóvel e preocupação com a acústica para não atrapalhar o sossego dos vizinhos.

É assim desde a infância: seu dia começa e termina com música. “Aos seis anos de idade comecei a fazer aulas de piano. Eu levava muito a sério e mais tarde me formei também em violino, violão, fiz aulas de teatro e artes plásticas”, enumera. Segundo ela, tudo incentivado pela mãe, que tinha sido bailarina e achava que o contato com o universo artístico exercia papel fundamental na formação dos filhos. Ela conta que inicialmente o irmão trilhou o mesmo caminho e chegou a se formar em violão clássico, mas posteriormente preferiu mudar de rumo e se tornar professor de filosofia.

A maestrina, Fabricia não! De formação erudita, possui graduação em licenciatura em música pela Faculdade de Música Belas Artes (Curitiba) e mestrado em educação na Universidade do Vale do Itajaí. Ao longo de todos os anos dedicados à carreira estudou na Romênia, onde regeu a orquestra de Brasóvia; morou um ano em Londres e saiu em turnê pela Alemanha durante três meses com o grupo Aroeira. Contudo, voltou a fixar residência em Joinville, apesar de todas as dificuldades impostas à classe não só aqui, mas a nível estadual e Brasil.

“Nós já tivemos a Orquestra Cidade de Joinville, a primeira totalmente profissional, com músicos com carteira assinada. O projeto durou de 2012 a 2015, mas foi encerrado por falta de vontade política” revela. Fabricia reconhece que manter um projeto como esse custa caro aos cofres do município, mas contribui com a formação musical e a manutenção da cultura e tradições da cidade. Hoje os músicos dependem basicamente das leis de incentivo à cultura, tais como a Lei Aldir Blanc e o Simdec – esta última no âmbito municipal. “Há uma grande procura cada vez que esses incentivos são abertos e muitos artistas estão pensando a arte, com projetos muito bons”, reconhece, ao mesmo tempo em que lamenta o fato de a região ainda não contar com uma faculdade de música e mais: um campus de humanas, que incite o pensamento filosófico.

“A música carece de mais investimento e formação profissional”.

Resta trabalhar o talento com as ferramentas possíveis e muitos profissionais ligados à cultura acabam optando por dar aulas para sobreviver. Fabricia é uma delas. Funcionária pública, leciona na Casa da Cultura para pessoas de todas as idades e se orgulha ao contar que 30 dos seus alunos cursaram faculdade de música e foram dedicar suas vidas à arte.

Há também os que tocam em eventos, como aniversários e casamentos, que, além de tudo, foram afetados pela pandemia. Então, o jeito foi fazer adaptações. Fabricia conta que criou muito nesse período, dedicou tempo à elaboração de um grande projeto e investiu nas lives, que durante muitos meses foram a única forma de entretenimento encontrada para driblar o isolamento social. As apresentações, realizadas diretamente do seu apartamento e com a presença de diversos músicos convidados, atraíram mais de 30 mil pessoas e a maestrina pretende seguir com elas. “Para mim não foi difícil essa transição para o mundo digital. Há mais de 20 anos produzo em computadores e tenho certa intimidade com a tecnologia, mas investi em equipamentos de luz e, quando surgia algo de maior complexidade técnica, optava por contratar alguém".

 

Projetos paralelos

Além das aulas e do estudo diário – Fabricia Piva não passa um dia sequer sem tocar violino – ela mantém dois grupos paralelos. Um deles voltado ao jazz e outro é o Chora Joinville, que valoriza a música popular brasileira. Foi uma forma de se manterem ativos ensaiando e discutindo o assunto que move suas vidas. Agora, com a retomada dos eventos, começam a surgir convites para apresentações. Toda quinta, no Porão da Liga, tem a “Noite da Música Popular Brasileira”, onde os sete integrantes do grupo de choro se reúnem para tocar.

Ela também atua na Orquestra Jovem da SCAR e se prepara para a montagem da Ópera “Yara”. Esse trabalho ela considera um verdadeiro presente por ser a única ópera catarinense alemã. A obra é de autoria de Josef Prantl a partir do libreto de Otto Adolph Nohel, de Jaraguá do Sul. “A história dessa obra foi escrita às margens do Rio Itapocu e ficou durante muito tempo na Áustria. Regina Colin, uma joinvilense, a conseguiu durante uma viagem e me deu a oportunidade de trabalhar na sua remontagem”, conta, sem esconder a satisfação.

O projeto é grande e deve envolver cerca de 80 pessoas, com 34 músicos e quatro cantores. A ideia é manter viva a cultura alemã e clássica oferecendo essa ópera romântica à população em duas apresentações. “A verdade é que precisamos, dadas às condições, ampliar nossos horizontes musicais para além do clássico, mas trabalhos como esse me dão um prazer maior por todo o seu valor histórico e artístico”, argumenta. Ainda não há datas para que a iniciativa saia do papel, mas o projeto será executado pela Orquestra de Espetáculos de Joinville.

 

Veja também

Coluna do Moa desta quarta-feira
FAISCA Por favor gente, não convide para sentar na mesma os vereadores Jeferson Cardoso e...
Vamos falar sobre vidros?
São tantas as opções que muitas vezes o cliente pode não saber o que fazer no momento da escolha.
Asfaltamento da Rua 13 de Maio deve continuar em breve
Empresa responsável pelo novo trecho já foi conhecida por meio de licitação.
Central de Imunização do Centro fecha mais cedo amanhã
O motivo é a capacitação de rotina da equipe do posto.
Vôlei jaraguaense carimba o passaporte para a Olesc
Time venceu todos os jogos da etapa regional por três sets a zero e passou para a próxima fase.
Jaraguá promove evento LGBTQIA+
Encontro ocorreu no último sábado e contou com diversos serviços e apresentações.