Profilaxia de tromboembolismo em cirurgia plástica

Por: Estética - Por Dr. Rodrigo Agacy e Dra. Ana Paula Passini
Foto: Divulgação
Compartilhe

No nosso dia-a-dia somos bombardeados com uma série de informações sobre cirurgia plástica via internet, televisão e demais meios de comunicação e muitas dessas informações chegam de maneira desencontrada. Algumas delas são fantasiosas e outras são muito importantes.

A profilaxia da trombose venosa e da embolia pulmonar são informações das mais importantes para as pacientes que serão submetidas à cirurgia plástica e também cirurgias de outras especialidades. A American Society of Plastic Surgeons (ASPS) estima que mais de 18 mil pacientes submetidos à cirurgia plástica desenvolvam trombose venosa profunda a cada ano. Entre os procedimentos realizados em cirurgia plástica, a abdominoplastia apresenta a maior incidência de eventos tromboembólicos, com incidência estimada em 1,2% para TVP (trombose venosa profunda) e 0,8% para TEP (tromboembolismo pulmonar).

A American Society of Plastic and Reconstructive Surgeons criou um protocolo que sugere que os pacientes sejam divididos em três grupos de acordo com o risco para desenvolvimento de tromboembolismo: baixo risco (idade menor que 40 anos e cirurgia de pequeno porte), médio risco (idade maior que 40 anos e cirurgia com duração maior que 30 minutos) e alto risco (idade maior que 40 anos e cirurgia com duração maior que 30 minutos sob anestesia geral ou com fatores de risco adicionais, como câncer e TVP prévia). Pacientes que fazem uso de contraceptivos orais ou reposição hormonal devem ser considerados de risco moderado, mesmo na ausência de outros fatores.

Máquina de compressão pneumática intermitente.

Para os pacientes considerados de médio ou alto risco devem ser estabelecidas medidas de prevenção, como o emprego das meias elásticas, os sistemas de compressão pneumática intermitente durante a cirurgia permanecendo até a deambulação ou a administração de heparina.

Atualmente medidas para a prevenção do TEP e TVP são largamente utilizadas na cirurgia plástica, pois a segurança para o paciente vem sempre em primeiro lugar. Portanto, lembre-se de verificar se o seu cirurgião é membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, se você foi orientado sobre todos os riscos inerentes ao procedimento que será realizado, se os exames pré-operatórios estão normais, quais as orientações pós-operatórias e se o local em que você será operado tem suporte para atendê-lo em caso de intercorrência.

Segurança é sempre muito importante e, se todos os pré-requisitos forem respeitados, os riscos de intercorrência passam a ser muito pequenos.

Veja também

Dia dos Pais: um dia todinho para agradecer e celebrar o amor
Não importa a idade dos filhos, pai é sempre uma referência. Nesta edição eles prestam uma homenagem àqueles que lhe deram a vida e falam um pouco dessa relação e dos momentos que ficam gravados para sempre na memória de cada um.
A coluna do Moa deste sábado já está no ar.
A nossa amiga e profissional da estética, Daiana Ionara está ultimando detalhes para
A coluna do Moa desta sexta-feira já está no ar.
É divertindo ver a briga entre os irmãos, Bruno Gagliasso e Thiago Gagliasso
Uso preventivo de Hidroxicloroquina reduz risco de agravamento da covid-19, reconhece estudo
Pesquisadores lamentam que o remédio tenha sido desacreditado pela comunidade científica
Postos de saúde abrirão aos sábados para campanha de vacinação
Objetivo é facilitar o acesso ao público que não consegue ir até uma dessas unidades durante a semana.