Concedido adicional de periculosidade a vigia que não trabalhava armado

Por: Hasse Advocacia e Consultoria - Dr. Marcos Hasse
Foto: Divulgação
Compartilhe

Recentemente, o Tribunal Superior do Trabalho condenou o município de Ipaussu, em São Paulo, a pagar adicional de periculosidade a um vigia, mesmo sem trabalhar armado.

As atividades do vigia consistiam em cuidar da praça central da cidade e dos arredores da igreja matriz, o que, segundo o vigia, o expõe a risco de roubos, agressões e violência física, tendo em vista que precisa abordar suspeitos no local e, com isso, entende que sua atividade é a de segurança pessoal e patrimonial.

O TST fundamentou a decisão com base em portaria do Ministério do Trabalho e Emprego que classifica as atividades de segurança patrimonial e pessoal como perigosas, independentemente do uso de arma e no Incidente de Recursos Repetitivos (IRR) nº 1001796-60.2014.5.02.0382, que já havia fixado entendimento no sentido de que o trabalhador exposto a risco de violência física no desempenho das atribuições profissionais de segurança pessoal e patrimonial deve receber o adicional.

A ministra, Kátia Magalhães Arruda, relatora do acórdão, menciona, ainda, a tese firmada pelo STJ que possibilita o reconhecimento da especialidade da atividade de vigilante, com ou sem arma de fogo, desde que haja comprovação da efetiva nocividade da atividade, que coloque em risco a integridade física do segurado.

Ao entrar com a ação, o vigia já havia saído vitorioso, porém a empresa recorreu até Brasília, no TST, onde viu seu recurso e sua tese de defesa serem negadas, por conta dos precedentes jurisprudenciais e da portaria do MTE.

Em síntese, é importante observar que o simples fato de não estar armado e não ter habilitação ou treinamento para o uso de arma de fogo não exclui o risco da atividade, razão pela qual o vigia receberá o adicional de periculosidade retroativo a todo o contrato de trabalho.

Veja também

Coluna do Moa desta quarta-feira
FAISCA Por favor gente, não convide para sentar na mesma os vereadores Jeferson Cardoso e...
Coluna do Moa desta terça-feira
Vamos falar sobre vidros?
São tantas as opções que muitas vezes o cliente pode não saber o que fazer no momento da escolha.
Asfaltamento da Rua 13 de Maio deve continuar em breve
Empresa responsável pelo novo trecho já foi conhecida por meio de licitação.
Central de Imunização do Centro fecha mais cedo amanhã
O motivo é a capacitação de rotina da equipe do posto.