A arte em tempos de pandemia

Por: Revista Nossa Foto:
Compartilhe

 

 

A arte em tempos de pandemia

Uso de ferramentas digitais, apoio financeiro através de editais de incentivo à cultura e muito jogo de cintura para lidar com inúmeros decretos têm feito parte da rotina da Dançar A2 desde que o primeiro caso de Covid-19 foi registrado no Estado, no ano passado.

 

Por: Priscilla Milnitz Pereira

Fotos: Divulgação

Há mais de um ano atravessando uma crise sem precedentes no mundo e à mercê de decretos que mudam a todo instante, restou ao setor cultural resistir e se reinventar. Com 30 anos de atuação na área, Omar Forte, da Dançar A2 Escola de Dança, se apoiou em verbas de editais públicos para manter as portas abertas sem precisar diminuir o quadro de funcionários. “Acredito que a palavra chave é resiliência. Precisamos nos adaptar às normas e diretrizes da Organização Mundial de Saúde (OMS), pensar novas maneiras de levar cultura para a população e esses recursos certamente foram de grande ajuda”, reflete.

A escola inscreve e desenvolve bons projetos na área cultural há anos, mas Omar reclama da burocracia e morosidade nos trâmites, fatores que impedem muitos artistas de participar e, especialmente, atrasam a disponibilização de verbas que deveriam ser emergenciais. Apesar das dificuldades, a aclamação veio com o Prêmio de Reconhecimento por Trajetória Cultural Aldir Blanc SC. “Isso nos enche de orgulho”, diz Omar. A escola também foi a única da mesorregião a ser contemplada com o Edital do Prêmio Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura do Estado de Santa Catarina. 

Tudo isso ajudou, mas não diminui a apreensão no setor, já que o vírus segue se espalhando e com resultados ainda mais agressivos que no ano passado. O número de alunos caiu pela metade, os eventos promovidos pela escola precisaram ser suspensos e todos os festivais e workshops de dança foram adiados ou cancelados pelo fato de não se encaixarem nos considerados “serviços essenciais”. A situação incomoda Omar, que faz questão de lembrar que grandes empresas da cidade não fecharam suas portas nem paralisaram atividades. “A lei deveria valer para todos. A cultura e o setor de eventos, como todos os outros, estão preocupados com a saúde. Nós espalhamos álcool gel pelas dependências e fazemos uso obrigatório de máscaras em toda modalidade de dança”, reflete, referindo-se ao protocolo sanitário da OMS.

O cuidado, é bom ressaltar, depende do bom senso de todos e hoje as aulas ocorrem em modelo híbrido, sendo parte on line e as demais presenciais, respeitando o limite de 30% da capacidade por turma. As ferramentas virtuais passaram a ser exploradas não só nas aulas, mas logo que as atividades precisaram parar, no ano passado. A Dançar A2 produziu uma série de vídeos para as redes sociais e canal no Youtube e trouxe inclusive o diálogo com grandes nomes da dança, como Daniel Oviedo e Mariana Casagrande, além do maestro Alam Blascovich , carioca que ficou em oitavo lugar no Campeonato Mundial de Tango de Buenos Aires. 

Apesar de fundamentais, Omar Forte fala com segurança que nada substituirá o modelo presencial. “Sabemos que a socialização é uma necessidade do ser humano, mas o momento ainda é de readequação e precisamos atender a todos com qualidade e segurança”, reforça e projeta: “acreditamos que tudo isso irá passar e que a população mundial estará mais consciente da importância da cultural em nossas vidas, assim como irão valorizar mais a profissão de docente em um contexto geral”.

Até lá, a equipe da Dançar A2 seguirá driblando a crise – que é a pior já enfrentada pela escola – criando muito, estudando e se desenvolvendo no campo artístico e torcendo para que a distribuição das vacinas aconteça de forma mais rápida, pois sem elas Omar admite ser extremamente complicado falar de futuro. Em forma de apelo, ele pede que os profissionais da cultura local tenham mais reconhecimento e que as empresas da região abram espaço para a viabilização de incentivos fiscais para as pequenas escolas da região, descentralizando os recursos. “Nossa cultura vive nas ruas, nos bairros da nossa cidade”, enfatiza.

 

 

Veja também

Coluna do Moa - 08-05-2021
Jaraguá do Sul - sábado
Coluna do Moa - 07-05-2021
Jaraguá do Sul- sexta-feira
Coluna do Moa -06-05-2021
Jaraguá do Sul - quinta-feira
Boletim coronavírus do dia 6 de maio de 2021
Jaraguá do Sul -06-05-2021
Cães são resgatados em Brusque após maus-tratos
Encontrados no bairro Limoeiro, em Brusque, nesta segunda-feira (03), os dois cães que sofriam maus-tratos foram resgatados pela Polícia Civil.