Uma exemplar mulher de Jaraguá no comando do esporte catarinense

Natália Lúcia Petry é a primeira mulher a ocupar a presidência da Fesporte desde sua fundação, há 25 anos

4 min para ler 17 set, 18

A professora Natália Lúcia Petry é natural de Jaraguá do Sul, tem 57 anos e é formada pela Escola Superior de Educação Física de Joinville, com pós graduação nas áreas de treinamento esportivo e de educação psicomotora. Mãe do fisioterapeuta Vinícius Petry de Araújo, 25 anos, também jogador de basquete profissional pela Apab/Blumenau. Na educação iniciou a carreira profissional em 1975 como professora e técnica de voleibol vindo a ser a primeira diretora eleita da escola Holando Gonçalves, feito que a fez descobrir habilidades como gestora pública. Em 2004 se elegeu vereadora, reelegendo-se por três mandatos seguidos. Foram 16 anos de destacada atuação em uma cadeira da Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul, onde também foi presidente da casa nos anos de 2010 e 2015. Vale lembrar que a carreira na vida pública também a fez, em 2006, presidente da Fundação Cultural de Jaraguá do Sul e por dois mandatos foi diretora da Fundação Municipal de Esportes, além de Secretária Municipal de Assistência Social. Em 2017 e 2018 atuou como Secretária Municipal de Cultura, Esporte e Lazer.

39135565_684854751860438_4653107898505756672_n

Na política e prefeitura, suas gestões foram marcadas por políticas públicas voltadas para os idosos, mulheres e crianças por meio de programas como Esporte e Cidadania e ações pela criação de novas áreas esportivas, como o incentivo à construção de praças esportivas e parques públicos, revitalização da Arena Jaraguá e a criação do programa bolsa técnico esportivo e o bolsa técnico cultural. Na área da Cultura criou projetos como incentivo a talentos, Feira do Livro de Rua, revitalizou o Centro Histórico de Jaraguá do Sul e foi a primeira presidente do Festival de Música de Santa Catarina, o mundialmente conhecido Femusc.

Publicidade

kantan-gif-360x360

Fesporte surge como desafio no âmbito Estadual
Em abril de 2018, Natália Lúcia Petry foi surpreendida pelo convite do governador em exercício, Eduardo Pinho Moreira (MDB) para assumir a presidência da Fundação Catarinense de Esporte (Fesporte). Trata-se do maior órgão de fomento, organização e promoção de ações esportivas sob controle do Estado, que promove anualmente cerca de 400 eventos com a participação de aproximadamente 600 mil pessoas, sobretudo atletas nas mais diferentes faixas etárias. “Foi uma decisão muito difícil. A princípio hesitei em aceitar esse convite por estar totalmente envolvida com a Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer, criada no governo do prefeito Antídio Lunelli”, conta Natália, lembrando da redução de cargos na Secretaria de 78 para 21, ação que vai resultar em uma economia de R$ 12 milhões para os cofres públicos sem nenhum prejuízo para as atividades culturais e esportivas do município. Também destaca que não poderia abrir mão do reconhecimento do poder executivo estadual aos mais de 40 anos dedicados como gestora e também atleta à educação, cultura e ao esporte. “Ser a primeira mulher a ocupar o cargo e sendo da área me motivou também. Foi ainda uma deferência para nós, mulheres, pela dificuldade que temos para ocupar cargos importantes, seja na iniciativa pública ou privada”, salienta.

Publicidade

goreti

Diante da promessa de apoio ao cumprimento da agenda de eventos da Fesporte feita pelo governador Eduardo Pinho Moreira, Natália foi aos poucos montando sua equipe de trabalho com o apoio e participação direta dos servidores de carreira da entidade. E mesmo com as dificuldades financeiras decorrentes da crise econômica que afeta o Estado e municípios, segundo a presidente da Fesporte o calendário de competições está sendo cumprido. Natália cita, por exemplo, a realização dos Jogos Escolares, que reuniu mais de 12 mil atletas de 12 a 14 anos em suas fases classificatórias e estadual, concluídos na primeira quinzena de agosto no município de São José, e também os jogos que contaram com atletas de 15 a 17 anos realizados em julho na cidade de Curitibanos , com aproximadamente 14 mil atletas desde a fase inicial. Mas os maiores desafios ainda estão por vir. De 6 a 16 de setembro, ocorre a 58a edição dos Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc), em Caçador. Trata-se do maior evento esportivo para atletas de alto rendimento. Serão 4.500 atletas de aproximadamente 90 municípios catarinenses.

Publicidade

feijoada-moa2

Existe também os Jogos Abertos Paradesportivos (Parajasc), que ocorrem no período de 9 a 15 de outubro em Jaraguá do Sul com a participação de 1.806 atletas classificados em diversas necessidades especiais. O Campeonato Estadual de Futebol Escolar Moleque Bom de Bola, a Olimpíada Estudantil Catarinense (Olesc), os Jogos Escolares Brasileiros, em Natal/ RN (Jesc), as Paraolimpíadas em São Paulo/SP e o Festival Estadual Escolar Dança Catarina, de setembro a novembro. As atividades estão no mapa das ações que serão desenvolvidas durante os próximos cinco meses sob seu comando. “Todo município terá ganho econômico nesses eventos. Aumenta o número de pessoas consumindo na cidade e isso se reverte em retorno de impostos”, assegura Natália, acrescentando que Jaraguá do Sul está pleiteando ser a cidade-sede da Olesc em 2019 e dos Jogos Abertos para 2020, definição que dependerá do aval do Conselho Estadual de Esporte (CED).

Ampliar as parcerias com os municípios: meta para 2019
A presidente da Fesporte defende junto aos gestores públicos a necessidade de revigorar e ampliar as parcerias com os municípios no sentido de valorizar o esporte praticado na base. “O esporte nasce lá na escola, com o professor de educação física proporcionando à criança o acesso, o conhecimento das modalidades, o despertar do interesse e o gosto pelo esporte e, como resultado, melhora na qualidade de vida e a descoberta de novos talentos”, conceitua Natália. A professora também revela que as obras de finalização da pista de atletismo estão sendo executadas e que sua gestão encaminhou junto ao Ministério do Esporte um projeto para construção de um centro esportivo multiuso anexo a arena. Santa Catarina, segundo ela, é referência quando o assunto é desporto e paradesporto. Tanto que, em nível de Estado, está em elaboração o Plano Estadual de Esporte. Trata-se de um instrumento que, segundo a gestora, vai nortear o desporto para que, independente do governador ou do presidente da Fesporte, possa ser instituída a lei que define as diretrizes para o esporte catarinense. Este documento está sendo finalizado e encaminhado para a Assembleia Legislativa. “A nossa meta é fazer um espelho da realidade do esporte catarinense, desde o desenvolvimento esportivo de fomento, rendimento, desporto comunitário, espaços esportivos, investimentos e recursos”, completa.