“Quero fazer uma administração inovadora”

Pedro Garcia assume a presidência da Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul

2 min para ler 20 fev, 17

As demandas da Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul não são nenhuma novidade para Pedro Garcia, que ocupa pela sexta vez uma cadeira no poder legislativo. No entanto, da última vez em que presidiu a Casa de Leis para cá muita coisa mudou no cenário político e econômico e ele reconhece que tem nas mãos um desafio muito maior. Além de enfrentar a crise e dar conta das necessidades dos munícipes com uma receita cada vez mais apertada, ele tem a missão de resgatar a imagem e a credibilidade dos vereadores perante a opinião pública, já que os recentes escândalos a nível nacional e até municipal acabaram por manchar a classe política como um todo.

Ao seu favor ele tem um histórico acima de qualquer suspeita e se orgulha de nunca ter se envolvido em nenhum tipo de escândalo ou indícios de irregularidades. “Custa caro ter uma vida limpa na política, mas isso é uma obrigação. Em 1997, quando presidi a Câmara pela primeira vez, tive as contas aprovadas sem nenhuma restrição pelo Tribunal de Contas do Estado e pretendo repetir o feito”, destaca ele, que também não tem nenhuma demanda judicial.

Garantir esses bons resultados, segundo Pedro, é simples: basta agir com ética e respeito às leis. Para isso um dos principais objetivos é estreitar relações com os demais poderes para diminuir a possibilidade de erros durante o mandato. Com um histórico ligado à associação de moradores – antes de sair candidato Pedro já era envolvido com as necessidades de alguns bairros –, ele também pretende ampliar o diálogo com as demais entidades representativas da cidade e manter boa relação com todos os vereadores.

E as ações para alcançar esses objetivos começaram cedo, antes mesmo de o legislativo voltar do recesso. Assim que foi eleito por unanimidade para o cargo, Pedro reuniu toda a bancada governista, formada por sete parlamentares, para definir detalhes da reforma administrativa sugerida pelo grupo. Entrou na pauta o horário das sessões e do expediente da Câmara e o salário de comissionados. “Iremos mexer nos valores e equiparar com o que é pago de acordo com a realidade atual. O que vem sendo praticado aqui está muito acima e precisamos economizar”, garante. Ele também pretende rever a função da ouvidoria da Câmara e economizar o máximo para devolver recursos do orçamento para o executivo, para que possam ser aplicados nas áreas mais carentes de investimento, gerando uma economia em torno de R$ 800 mil nos próximos quatro anos. A ideia de construção de uma nova sede também foi completamente descartada, devido o momento econômico.

Outra bandeira de Pedro Garcia é a desburocratização da máquina pública e serviços públicos. Hoje ele reclama da demora para adquirir coisas simples do dia a dia e garante que se todas as obras que estão paradas aguardando documentação estivessem caminhando a pleno vapor isso geraria para a cidade em torno de aproximadamente duas mil vagas de emprego. “A atuação dos vereadores é um pouco restrita nessa questão de projetos e não podemos elaborar nada que gere despesas para o município, mas iremos manter o contato e sugerir ideias para o executivo. Temos que ser parceiros pelo bem da cidade”, explica ele, que promete cumprir com seu papel de fiscalizador das leis e da receita pública, além de se empenhar em mostrar para a comunidade qual a verdadeira função dos vereadores. “Não descarto uma campanha de conscientização do verdadeiro trabalho do vereador para não ultrapassarmos o limite de nossa atuação”, encerra.

 

Publicidade

denan-rodape-site