Por amor aos animais

Martin Martins transformou a sua paixão em profissão

2 min para ler 14 set, 17

Martin Martins é daquelas pessoas que transformou o amor em profissão. Apaixonado por animais desde a infância, há sete anos mantém na Rádio Jaraguá o Programa “Hora Animal”, exibido todos os sábados das oito às nove horas da manhã. Também é sócio de pet shop há quatro anos e desenvolve uma série de trabalhos voluntários em parceira com grupos de proteção animal da cidade. “No início poucas pessoas acreditaram na minha ideia, mas, como um defensor dos animais, senti que Jaraguá do Sul precisava discutir melhor essas questões e propus o projeto”, relembra.

Publicidade

paraiso-e-ortocoi-gif

Hoje o sucesso e a aceitação do público ainda o surpreendem e a atração é uma campeã de audiência, com participação constante dos ouvintes, que sugerem temas, fazem denúncias e divulgam bichinhos de estimação perdidos ou encontrados não só no município, mas em toda a região de alcance da emissora. O radialista e administrador não esconde o orgulho. Até hoje o seu programa continua sendo o único voltado exclusivamente para a causa animal segundo a Associação Catarinense de Emissoras de Rádio e Televisão (Acaert) e ele conta que já percebe uma mudança na forma de a população enxergar os animais graças à sua atração.

pet

“Quando apresentei o projeto do programa eu pensava no futuro. Meu sonho era que em 10 ou 15 anos as pessoas tivessem outra mentalidade no que tange aos direitos animais e fico contente em observar que algumas coisas já mudaram”, comenta. Segundo ele, através da informação as pessoas passaram a enxergar os animais de maneira diferente. Reconhecer que eles também possuem necessidades e sentem frio e dor, assim como os humanos. Ele reconhece que as coisas ainda estão engatinhando, mas graças aos grupos de voluntários que proliferaram ao longo dos anos e da Organização Não Governamental (ONG) Ajapra, os animais passaram a receber mais atenção e cuidado.

Publicidade

apemobile

É ao lado deles que Martin toca há cerca de dois anos o projeto “Meu Novo Lar”, em parceria com o grupo focinhos carentes e voluntários de castrações, vacinações e chipagens que busca melhorar a condição de pessoas que se propõe a recolher animais das ruas. O primeiro contemplado foi Zequinha, do bairro Tifa dos Húngaros, que cuida de aproximadamente 45 cães. Através de inúmeras parceiras está sendo possível oferecer condições dignas a todos os animais e, claro, uma casa adequada para o próprio Zequinha, que antes não contava sequer com água encanada. “Já temos mais pessoas na lista para serem ajudadas e pretendemos continuar com esse projeto”, frisa.

21686215_1642889445785963_5939270070164760565_n

O “Hora Animal”, no entanto, é bem democrático e não dispensa atenção somente para os animais domésticos. A pauta é variada e inclui insetos, animais silvestres, bichos de grande porte, enfim… Martin não cessa suas pesquisas e está sempre ligado em temas que estão em alta não só no Brasil, mas no mundo, trazendo curiosidades, conhecimento específico a respeito de diferentes raças, entre outros. “Inovação é a palavra chave, assim como dar atenção para os ouvintes. Inúmeras vezes já levei ao ar temas propostos por eles e não quero perder esse contato, sempre organizando promoções e maneiras de fazer com que se sintam parte do programa”, salienta.

Publicidade

vallsa

No ano passado, Martin também se aventurou pela primeira vez na política e fez quase 900 votos para vereador. Tornou-se suplente e pretende concorrer de novo nas próximas eleições. É que, apesar dos avanços, ele ainda aponta muitas falhas do poder público quanto ao bem estar animal, as quais pretende ajudar a corrigir se a população der o apoio para ele chegar no poder. “É preciso ampliar o projeto de castração. Hoje são realizadas apenas 40 cirurgias por mês, mas esse número é insuficiente. Também pretendo realizar campanhas de vacinação e aumentar a penalidade para quem comete crimes contra animais”, enumera. Segundo ele, o poder público poderia encabeçar mais ações para aliviar o fardo dos voluntários, mas é preciso mais que isso.