O Trânsito e Você

Precisamos ter sempre a mesma rotina?

1 min para ler 21 jul, 17
Publicidade

jeanita-site-750-x-180-1

Já faz um tempo que assisti “E se fosse verdade?”, mas fui influenciado de tal maneira pela conduta da médica representada por Reese Witherspoon, que dali pra frente adotei uma maneira distinta de me deslocar pela cidade.
No filme, a médica não se envergonha de usar a bicicleta como meio de transporte em seu dia a dia e, analisando aquilo pensei: porque não poderia também modificar o meu cotidiano, que se resumia em quatro rodas? Claro que este foi mais um estímulo, já que se considerarmos os problemas de mobilidade urbana espalhados pelo planeta não faltariam razões para se pensar em outras formas de se locomover pela cidade. Nossa região, apesar de não constar na lista de grandes metrópoles, já exibe dados preocupantes quanto ao trânsito, seja pela violência frequente retratada nos meios de comunicação, ou pelo excesso de veículos nas ruas.

  hjhjhj

Foram principalmente os incentivos fiscais às montadoras, o aumento de renda da população e a falta de planejamento urbano que contribuíram para que chegássemos onde estamos hoje, perdendo um tempo precioso de nossas vidas em semáforos e congestionamentos. Exemplos adotados em outras cidades são iniciativas válidas que devem ser consideradas por todos nós, pois os veículos automotivos ainda são os maiores responsáveis pela poluição atmosférica. Dentre eles, posso destacar o uso da carona compartilhada, que faz com que o motorista deixe de andar sozinho em seu carro, amenizando a quantidade deles nas ruas. Outros, como o pedágio urbano ou a tarifa zero para o transporte coletivo, são mais polêmicos e complexos, mas são, sem dúvidas, assuntos que devem estar na pauta dos atuais governos, afim de melhorar a qualidade de vida dos cidadãos.

 ccccccccc

Publicidade

levie-2

Como indivíduos da sociedade podemos modificar nossos hábitos e dar exemplo, contribuindo com meio ambiente, ganhando em saúde e tendo menos stress em nosso cotidiano. Pare e reflita: precisamos ter sempre a mesma rotina?