Atriz de Corupá representa o Brasil no Oscar 2019 de filme estrangeiro

Longa de Cacá Diegues foi escolhido por comissão e tenta chegar entre os finalistas da categoria

1 min para ler 13 set, 18

“O Grande Circo Místico” irá representar o Brasil na disputa pelo Oscar de melhor filme estrangeiro. Dirigido por Cacá Diegues, recém-eleito para a Academia Brasileira de Letras, o longa conta a saga de cinco gerações da família austríaca Knieps, dona de um circo. O filme, inspirado em um poema de Jorge de Lima, teve sua premiere no Festival de Cannes. No Brasil, deve estrear em 15 de novembro. Para Diegues, que representa o Brasil pela sétima vez na disputa, a importância do prêmio é relativa. “Fico feliz, mas não acho que o Oscar seja o parâmetro principal para ditar a qualidade de um filme brasileiro. Gosto mais pela promoção do trabalho”, afirma o cineasta, selecionado outrora por obras como “Xica da Silva” (1977) e “Orfeu” (2000) — nenhuma das seis indicadas sobreviveu à peneira.

15235499035acf86cf99a29_1523549903_3x2_lg

A atriz corupaense Bruna Linzmeyer está no elenco do longa “O Grande Circo Místico”.

Como é de praxe, cada país inscreve seu representante, mas só cinco filmes brigam pelo prêmio. A lista, junto com a dos indicados em categorias como melhor diretor e melhor atriz, sai em 22 de janeiro. Já a premiação será em 24 de fevereiro, em Los Angeles. Diegues enfrentará filmes bem cotados como“Girl”, de Lukas Dhont (Bélgica), “Border”, de Ali Abbasi (Súecia), “Burning”, de Lee Chang-dong (Coreia do Sul) e “Sunset”, de László Nemes (Hungria).“Grande Circo” já se destacou entre os outros 21 longas que disputavam a indicação no Brasil, incluindo quatro documentários. Filmes elogiados pela crítica, como “Ferrugem”, de Aly Muritiba, e “Benzinho”, de Gustavo Pizzi, foram desbancados na deliberação da comissão indicada pela Academia Brasileira de Cinema, nesta terça (11).

Publicidade

feijoada-moa2

Para o cineasta Jeferson De, membro da comissão, o motivo central da escolha foi o fato de a história do diretor se confundir, invariavelmente, com toda criação cinematográfica feita no Brasil.A última vez que o país ficou entre os finalistas foi em 1999, com “Central do Brasil”, de Walter Salles. Na ocasião, o filme foi derrotado por “A Vida É Bela”, de Roberto Benigni.

Fonte: Folha de São Paulo