Kreis Jr. disputa prova automobilística em Daytona, na Flórida

Expectativa é conquistar um bom resultado e manter a liderança do Fara USA.

3 min para ler 6 set, 17

Piloto de automobilismo há 17 anos, o jaraguaense Kreis Jr. vive a expectativa de disputar mais uma grande prova. O próximo desafio será nos dias sete e oito de outubro em Daytona, na Flórida, onde corre em busca de um lugar no pódio em mais uma etapa de endurance do Fara USA, um dos campeonatos mais importantes do mundo. Com quatro horas de duração, ele divide o volante com outros dois pilotos brasileiros: Marcelo Santana e Willian Freire. Hoje a Champ 1 lidera a categoria GP1 e, ao lado dos companheiros, Kreis Jr. quer trabalhar para manter a posição da equipe.

interna-1

Para isso, ele conta que não basta ser o mais veloz na pista. Em provas de longa duração também é necessário muita técnica. O carro precisa ser adaptado para cada piloto e não se pode perder mais que 35 segundos para fazer a troca. Também há o momento certo para realizar as paradas, para abastecer, trocar os pneus ou mesmo para decidir qual a hora de investir toda a potência do carro em busca do resultado. “Em uma prova como essa o total de voltas gira em torno de 250 e precisamos economizar nosso equipamento. Isso inibe possíveis falhas mecânicas e defeitos que podem tirar a equipe da prova”, explica.

Publicidade

apemobile

A prova é decidida nos detalhes e Kreis Jr. conta ser possível vencer mesmo largando no final do grid. “Estamos o tempo inteiro em contato com o engenheiro da equipe fazendo ajustes no carro e o volante tem botões capazes de realizar alguns acertos, como no balanço, suspensão e potência. Como eles estão acompanhando o desempenho dos demais pilotos, podem nos passar dicas valiosíssimas e é preciso estar atento”, declara.

interna-2-1

Kreis Jr. irá disputar a prova a bordo de um Lamborghini V10 LP560 capaz de atingir a velocidade de 280 quilômetros por hora. Não é a categoria mais rápido do Fara USA e esse é mais um dos desafios da corrida. O curioso é que ele garante ser mais complicado lidar com carros lentos do que com os mais velozes. “Como disse, tudo é muito técnico e, pelo fato de andarem em menor velocidade, esses carros precisam de mais tempo para executar uma manobra ou devem entrar antes em uma curva, por exemplo. Essas pequenas coisas principais causas de acidente e mais um motivo para ficar ligado”, ensina.

Publicidade

paraiso-e-ortocoi-gif

Outro segredinho dos bastidores está na hora de entrar no box para fazer a troca de piloto ou realizar alguma manutenção. Segundo Kreis Jr, o momento ideal é quando sobe a bandeira amarela, sinalizando algum acidente ou necessidade de reboque. É quando a prova diminui de ritmo e é possível fazer a parada sem tomar uma volta dos adversários.

Histórico de títulos na carreira

Kreis Jr. foi campeão brasileiro da Porsche GT3 Cup em 2014 e campeão americano do Fara USA em 2015. Desde então não disputa mais campeonatos completos, mas participa de provas esporádicas nos mesmos campeonatos. Ele conta que se viu obrigado a adaptar as corridas à sua vida, dando maior atenção aos negócios e à família, que aumentou nesse período. “Nunca pensei em me tornar um piloto profissional e alio o esporte ao lazer. No entanto, me cobro muito, sou perfeccionista e tento sempre fazer o melhor pela equipe que me convida para as competições”, argumenta.

Publicidade

abf-interna

Ao longo da carreira o piloto conseguiu grandes vitórias, conheceu pessoas envolvidas no meio e angariou patrocínios que permitem levar adiante o sonho de correr nas pistas. O Lamborghini que irá pilotar mês que vem, por exemplo, está avaliado em R$ 1 milhão e um final de semana de provas não sai por menos de R$ 300 mil. “Hoje felizmente conto com uma boa estrutura da equipe e a ajuda de pessoas e empresas que me apoiam, então é possível equilibrar as contas e seguir em frente”, declara.

Tal estrutura não lhe garante apenas segurança financeira, mas física também. Em 17 anos, Kreis Jr. nunca sofreu um acidente grave. Ele conta que o risco é grande, mas a segurança dentro dos carros é proporcional. “Participar das provas é mais seguro que andar em uma BR, considerando que todos ali são habilitados para dirigir, a pista está em perfeitas condições e o carro é preparado para uma eventual fatalidade, contando com diversos dispositivos que protegem o piloto”, compara.

Fechando a agenda de compromissos automobilísticos do ano, Kreis Jr. disputa uma nova corrida em dezembro, no autódromo de Homestead, também na Flórida, dessa vez em uma prova com 12 horas de duração.