Jaraguá do Sul faz 142 anos

Município completa aniversário e comemora a força empreendedora de seus habitantes

2 min para ler 24 jul, 18

Quem passa pela cidade, situada no Vale do Itapocu, logo se surpreende com a beleza de suas características naturais. A imponência do Morro Boa Vista nem espera pela chegada dos visitantes para dar o ar de sua graça e a imponência das montanhas da cadeia da Serra do Mar, que cercam o município, contrastam com as paredes da indústria, que movimentam a economia da cidade e também já fazem parte da paisagem. Tudo isso já dá uma breve noção do ambiente acolhedor e repleto de oportunidades que estamos prestes a encontrar, cenário confirmado recentemente pela mídia nacional, que colocou Jaraguá no pódio entre as cidades mais seguras para se viver. Tudo isso a gente já sabe, assim como a descendência do nosso povo, em sua maioria germânica, italiana e húngara, mas será que você conhece a nossa história e o que esse povo fez por nós em outros tempos? Acompanhe conosco essa viagem que irá nos reportar para o ano de 1851, há exatos 167 anos.

francisco-junkes

Como tudo começou

Em 1851 nas terras dotais da Princesa Dona Francisca e do Príncipe de Joinville, inicia-se a colonização do Domínio Dona Francisca, tendo por limite o lado esquerdo do rio Itapocu. Cinco anos mais tarde, em 1864, as terras que hoje formam o município de Jaraguá do Sul fizeram parte do dote da Princesa Isabel, filha de Pedro II, na ocasião em que se casou com Gastão de Orléans Conde d’Eu. Então, ao engenheiro e coronel honorário do Exército Brasileiro, Emílio Carlos Jourdan, amigo do conde d’Eu e da princesa, ficou encarregado da demarcação das terras, que se localizavam entre a margem direita do Rio Itapocu e a esquerda do Rio Jaraguá indo, ao Norte, até o Rio Negro. No início eram 12 léguas quadradas, sendo aumentadas posteriormente para 25 léguas quadradas.

Publicidade

kantan-gif-360x360

Durante o processo da demarcação, Jourdan contratou ferreiros, marceneiros, carpinteiros, pedreiros e lavradores, a maioria vindo do nordeste, para a construção do engenho e a plantação da lavoura de cana-de-açúcar. Em 1879, O engenheiro Krohne saiu de São Bento para explorar a região, abrindo picada pelo Rio Itapocu até Jaraguá. Já os colonizadores Otto Hillbrecht e sua família chegaram em 1897, cursando o Rio Itapocu em canoas. Com a República, as terras dotais voltaram a ser patrimônio da União.

v-16

Durante sua história, Jaraguá pertenceu a São Francisco do Sul, Paraty (atual Araquari) e a Joinville. Somente no século passado Jaraguá foi desmembrada de Joinville. Por ocasião da emancipação, o novo município denominou-se simplesmente Jaraguá, sendo seu nome alterado para Jaraguá do Sul em 31 de dezembro de 1943 por haver outro município mais antigo com o mesmo nome, localizado no Estado de Goiás. Após alguns anos, de um simples povoado Jaraguá se tornou uma vila economicamente ativa, principalmente após a construção da ferrovia, inaugurada em 1910. A cidade cresceu ao seu redor e neste burburinho chegavam as notícias, os produtos, os visitantes e, escoava-se a produção local.

Publicidade

gif-bread-burguer

Hoje a cidade é um dos principais parques fabris de Santa Catarina, importante polo econômico e de exportação. São mais de mil indústrias de pequeno, médio e grande porte, que fabricam os mais variados produtos, principalmente dos setores de metalmecânica, malhas, confecções, móveis, chapéus, gêneros alimentícios, essências, cosméticos, além de componentes eletrônicos e informática. Com suas Associações Étnicas, Sociedades de Tiro, suas edificações históricas e seus museus de diferentes temáticas, Arquivo Histórico e Fundação Cultural, a cidade demonstra sua preocupação na preservação de seu patrimônio cultural. Sendo assim, em todas as áreas, Jaraguá do Sul cresce pela força empreendedora de seus habitantes, que nunca esquecem suas raízes, que valorizam o que foi construído pelos antecessores e perpetuam seus ensinamentos.