Advogado jaraguaense conquista troféu após capturar peixe de 200 quilos

Duelo com o Marlin Azul durou mais de duas horas e 20 minutos

3 min para ler 6 abr, 18

whatsapp-image-2018-04-04-at-15-53-51

Quem conhece Célio Dalcanale por sua trajetória na área de direito, sabe que o profissional está acostumado a enfrentar desafios como advogado. Nascido em Rio dos Cedros/SC, Célio é especializado em direito empresarial e tributário, militando na área desde 1993.  O que muitas pessoas que o conhecem não sabem, é que Dalcanale possui um passatempo que já acompanha a sua vida por décadas, se transformando em uma verdadeira paixão. “Comecei a me dedicar a arte da pesca aos 28 anos, como uma forma de fuga para relaxar. Assim, passei a participar de diversos grupos de pesca com destinos variados em todo o país, o qual passou a ser meu hobby favorito. Com o passar dos anos, o amor pela pesca foi aumentando e a dedicação também, pois a pescaria como um todo, ao longo da vida, tem diversos estágios. Com o passar dos anos, foram se incorporando novas metas, novos objetivos, tanto na captura de espécies diferenciadas de peixes como na escolha de diferentes lugares de pesca”, conta.

Publicidade

mobile_corpoativo_290x190px

whatsapp-image-2018-04-04-at-15-53-55

Sempre bem equipado e preparado para pescar as mais variadas espécies, ampliando seu conhecimento pelas águas marítimas do Brasil, o advogado já conquistou até mesmo prêmios através do seu hobby. “Tracei novas metas, tal como a participação em torneios nacionais classificatórios para o campeonato mundial. De tal forma, uma equipe foi montada por ocasião de uma viagem a Canas Vieira – Bahia, onde formou-se o time que participou e continua participando dos torneios classificatórios e dos mundiais nas vagas conquistadas. Assim, a equipe conseguiu por vezes se classificar no mundial, tendo ganho um torneio classificatório na Bahia. O campeonato mundial se dá na Costa Rica. Minha equipe também conquistou um troféu mundial em razão de uma disputa com um Marlin de mais de duzentos quilos, no qual travei um duelo de mais de duas horas e 20 minutos. Como o maior peixe que já capturei está o Marlin Azul, de mais de trezentos e cinquenta quilos aproximadamente. Dentro das metas traçadas, tanto em locais, como em peixes, quase todas as metas foram cumpridas, faltando uma pescaria de Trutas na Argentina, com o equipamento fly, uma pescaria no Alasca e uma pescaria na Austrália do Marlin Negro. A última meta atingida foi no mês de março deste ano, com seleto grupo de amigos do Grupo Pintado, onde consegui capturar um belo Salmão Selvagem de onze quilos. Recentemente estive na Guatemala com a equipe Red Neck que disputa os torneios de peixe de bico, para tentar uma vaga mundial, onde tivemos a captura de inúmeros exemplares de peixe de bico (Marlin)”, revela.

Publicidade

gif-bread-burguer

whatsapp-image-2018-04-06-at-14-43-53

Célio Dalcanale comenta que já pescou em lugares como Panamá, Guatemala, Costa Rica, Chile, Argentina, Paraguai, costa brasileira, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, o Amazonas e quase todas as bacias hidrográficas brasileiras. “Dentro dos meus objetivos já alcançados, estão a pesca com as espécies de peixes como Tucunarés Gigantes, Trairóes, Pirararas, Piraíbas, Salmão Selvagem do Chile, Cavala Uaru, Atum e as espécies de Marlin, sendo Marlin Azul, Branco e o Striped (Marlin Galhardo) e o Sailfish Azul Listrado e uma grata surpresa, a bela Meca, peixe que dá em águas profundas, capturado no litoral de Santa Catarina, Piçarras. A pesca do peixe de bico (Marlin) é gratificante, contudo o esforço empregado para a captura é fora do comum, necessitando de muito preparo físico para enfrentar uma jornada de pesca. Demais pescarias são mais tranquilas, mas também, exigem do pescador conhecimento e preparo.

whatsapp-image-2018-04-06-at-14-43-54

Questionado sobre os equipamentos usados para uma pesca de sucesso, Dalcanale destaca que é preciso de cautela quanto aos produtos comprados para o plano de ação em alto mar. “Ao longo de todos esses anos, o aprimoramento é constante e o nível de conhecimento também se torna elevado, fazendo com que o pescador tenha uma sintonia muito grande com seu equipamento de pesca, o qual deve ser muito bem equilibrado e balanceado. Os apetrechos de pesca variam de acordo com a modalidade da pesca. Para a pesca vertical é um determinado equipamento, já para a pesca horizontal é necessário outro tipo de equipamento. Ainda, a pescaria vertical Slow difere-se dos equipamentos necessários para pescaria vertical Carretilha Elétrica. Assim, também ocorre com a pesca horizontal de Corrico e da pesca horizontal de Arremesso. Tipos de iscas também diferem de peixe para peixe e de local para local. Como se vê, as variáveis são inúmeras, fazendo com que o pescador tenha que escolher o equipamento certo para a pescaria que pretende realizar, estando ele em perfeita sintonia com o ambiente escolhido. Após os anos percorridos, a paixão se torna uma arte, toda a pescaria um desafio”, explica.

whatsapp-image-2018-04-04-at-15-53-56

Marlim Azul de 200kg.

whatsapp-image-2018-04-04-at-15-53-54

Com orgulho em assumir que pescar é como um grande amor, Célio Dalcanale já não se imagina vivendo sem praticar o esporte, que faz parte de sua história de vida. “A pescaria além de ser um elemento de paz de espírito e de tranquilidade, é um momento único, onde você deixa sua mente livre. É um local onde estão os amigos, a pesca é sempre um momento que se pode passar e colher experiências. Também é o momento de conhecer novas pessoas e trocar novas experiências e conhecimentos. A pescaria me proporcionou colher amigos em território nacional, bem como no exterior, na participação de eventos, ou mesmo nas pescarias amadoras”, assegura.  O advogado encerra complementando que tem como próximo propósito uma pescaria no mês de novembro em Manaus, no torneio classificatório para o mundial na Bahia e no torneio classificatório para mundial na Guatemala.