Ariovaldo Xavier dos Santos, o camisa 10

Relembra um pouco de sua história

3 min para ler 31 ago, 17

Volante, sempre atento ao gol e considerado um dos jogadores mais fortes e memoráveis da história do Juventus, Ariovaldo Xavier dos Santos, o famoso Arizinho, como é conhecido na região, apelido que se originou devido à sua baixa estatura, deixou seu nome marcado na história do time por se tornar o maior artilheiro que o grêmio esportivo já teve, com 254 gols marcados em toda a sua carreira no time, de 1969 a 1976.

Natural da cidade de Taubaté, em São Paulo, Arizinho fez a sua primeira aparição no time com a camisa número 10, em 1968, quando jogou em uma partida contra o conhecido Guarani, de Blumenau. O jogador marcou dois gols em sua estreia, o que já garantiu um contrato definitivo no ano seguinte. “Ainda me lembro daquela época, bons tempos para o Juventus. Ele era visto como um grande time, pois estava se profissionalizando e disputando com times grandes de Santa Catarina. O Estado sempre enaltecia e admirava o nosso trabalho. Me sinto extremamente feliz em fazer parte da historia do Juventus. Ter sido aceito no contexto futebolístico de Jaraguá do Sul é emocionante e me deixa muito grato, tempos muito intensos do futebol e que hoje em dia me deixam satisfeitos ”, disse Arizinho, hoje com 67 anos.

ari-interna

O ex-jogador também conta que foi muito conhecido por sua ficha limpa e exemplar, com mais de oito anos dentro do campo sem ser expulso. “Lembro-me que nessa época existia o prêmio Belfort Duarte, que era dado aos profissionais com 10 anos sem ser expulso de campo, mas os joelhos impediram que eu chegasse aos 10 anos. Eu sempre tentei jogar de maneira com que os meus princípios fossem honrados. Sempre respeitei meus adversários e os juízes de campo, porque já naquela época era assim, você recebia o cartão por reclamação e nem sempre pela falta. Acredito que saber o seu local de fala é o certo para ser um jogador respeitado e valorizado dentro da indústria do futebol. Consegui me aposentar com este marco em minha carreira e é algo de que me orgulho.”

Publicidade

tellesmobile

Consagrado como o maior artilheiro da história do Juventus, Arizinho conta, com modéstia, que ainda é muito conhecido por este marco na história do esporte catarinense. “Ter marcado 254 gols para o Juventus foi algo que me deixou muito honrado. Saber que sempre dei o meu máximo pelo time que me adotou com seu coração é algo que para sempre ficará comigo. Atualmente ainda existem crianças que vão até mim e perguntam se sou o artilheiro com mais gols da história do grêmio esportivo e contam que eles souberam disso através de seus pais, que são admiradores da minha carreira. É completamente emocionante ver que o meu legado continua cada vez mais vivo e que está passando de geração para geração”, comenta.

Publicidade

viajaremobile

O maior artilheiro da história do Juventus infelizmente encerrou sua carreira precocemente, aos 28 anos, quando suas dores nos joelhos se tornaram mais intensas e a intervenção cirúrgica realizada não foi bem sucedida, impedindo que seu desempenho fosse o mesmo que o tornou conhecido na região. Arizinho também cursava a faculdade de Educação Física na época, fator que também influenciou em sua decisão. “Eu me aposentei cedo dos campos. Infelizmente na época não tínhamos toda a tecnologia que temos hoje, todos os tratamentos que são disponibilizados. E também eu não queria continuar como um jogador sem minha maior característica, que era a habilidade em velocidade, pois eu sabia do legado que já estava criado em cima do meu nome e de como os fãs do Juventus se apoiavam em mim para ver o time sempre vencendo. Foi uma decisão difícil, mas que não me arrependo, pois sabia que era o melhor para mim e para o Juventus, que não poderia mais contar comigo em perfeita condição naquele momento”, revela.

Publicidade

banner_fabio-rabin_360x344px

Atualmente, Arizinho conta que em comemoração à sua carreira e aos 254 gols marcados, tem um projeto de lançar camisas especiais do Juventus com o seu número, o eterno 10 do time, para que as pessoas que fizeram parte de sua história durante a carreira no Grêmio Esportivo Juventus tenham essa lembrança. “Quero presentear e surpreender a muitos que de alguma forma contribuiram para eu ser quem sou hoje. Muitas pessoas fizeram parte de toda minha trajetória e quero pessoalmente fazer com que cada um se sinta especial por ter me ajudado”, conta. O ex-jogador do Juventus afirma que oferecerá o projeto para os patrocinadores atuais do clube, mas se a parceria não se concretizar já conta com parceiros para que o projeto se realize. O ex-jogador acredita que poderá ser feita uma preliminar de 20x20m com os veteranos do Juventus em prol do projeto. “Creio que será bom marcar na história esportiva jaraguaense um feito quase impossível de se conseguir e por meu legado no campo durante o lançamento do projeto especial em comemoração ao meu recorde de gols, que deve acontecer provavelmente em outubro”, encerra.