O fim das olheiras sem milagre

Por: Eduardo Bornhausen Demarch Foto: DIVULGAÇÃO
Compartilhe

Poucas coisas causam tanto terror nas mulheres quanto acordar com olheiras. E de fato elas derrubam qualquer visual. É bom saber, no entanto, que o mercado estético tem uma série de técnicas capazes de amenizar seus efeitos e garantir uma expressão mais jovem e bem disposta. O dermatologista Eduardo Demarch salienta que o primeiro passo é descobrir o que levou ao aparecimento de manchas escuras ao redor dos olhos antes de optar por um tipo de tratamento.

O excesso de pigmentação e de vasos sanguíneos sob a pálpebra são as principais causas, mas há também as olheiras causadas por estresse, insônia, cansaço de maneira geral, anemia ou maus hábitos, como uma alimentação ruim, tabagismo e excesso de consumo de bebidas alcoólicas. "Os casos mais complicados são aqueles envolvendo o excesso de vasos sob a pálpebra. Por ser um problema hereditário, normalmente eles são os responsáveis pelo aparecimento de olheiras em pessoas mais jovens", explica o especialista. Mas, com o devido tratamento, tomando certos cuidados e investindo em manutenção é possível alcançar resultados satisfatórios.

A principal intervenção realizada nas clínicas de dermatologia é à base de ácido hialurônico. A Dr. Eduardo Bornhausen Demarch CRM/SC 19.387 substância é a mesma usada para suavizar sulcos e rugas profundas e atua exatamente onde há perda de volume na região dos olhos. Além disso, as linhas de expressão ficam mais suaves e a pele mais hidratada, recuperando o aspecto jovial do rosto. O procedimento pode causar um pouco de dor, amenizada por anestésico local, e precisa ser refeito a cada 18 meses. É recomendado especialmente para pacientes com mais idade, quando ocorre a perda de sustentação da pele e o aumento da flacidez.

Já o tratamento a laser é recomendado quando há excesso de pigmentação da pele em volta dos olhos. "O laser atinge e fragmenta a melanina, que depois é reabsorvida pelo organismo. Dependendo do caso, a redução das olheiras pode chegar a 90% e outra vantagem é não provocar dor". A melhora pode ser notada em apenas três sessões. Peelings, microagulhamento e drenagem linfática também entram na lista das alternativas. O primeiro, além de melhorar a aparência da pele estimulando a renovação celular, ajuda a eliminar o pigmento concentrado, auxiliando no clareamento das áreas escuras. Os peelings podem ser feito com diferentes ácidos e possuem função rejuvenescedora e clareadora. Mas cuidado! Por ser um procedimento mais agressivo, é necessário evitar o sol e usar protetor solar durante 15 dias. No microagulhamento, camadas da pele são perfuradas de acordo com o objetivo de cada um para estimular a formação de colágeno e devolver a firmeza, enquanto a drenagem linfática é indicada para quem tem bolsas abaixo dos olhos. "Além de amenizar os pontos escuros, elimina o inchaço de toda área".

Mas e os cremes clareadores? Especialistas são unânimes em afirmar que eles atuam apenas como coadjuvantes ou em casos extremamente leves/iniciais de olheiras. "Não acredite em milagres. Todo tratamento deve ter início no consultório médico, atacando as causas e não somente disfarçando o problema com cremes e maquiagens", ressalta, frisando a urgência de procurar um especialista, já que com o tempo o problema se acentua. Por fim, aquelas dicas valiosas: adotar uma alimentação saudável e balanceada, praticar exercícios físicos e respeitar o período adequado de sono também é fundamental.

Dr. Eduardo Bornhausen Demarch
CRM/SC 19.387
https://www.doutoreduardo.com/

Veja também

Conheça o trabalho e a trajetória da Fotógrafa Karina Fassina
Profissional de 31 anos é apaixonada pelo mundo das imagens
Como corrigir a postura com o fisioterapeuta Dr. Bruno Francisconi
Algumas dicas para evitar problemas posturais
Fisioterapeuta Andreia Chiavini afirma: sua saúde vale ouro
Um investimento para você
O fim das olheiras sem milagre
Nossa Estética com Dr. Eduardo Bornhausen Demarch
O implante de silicone nas mamas pode interferir na amamentação?
Mitos e verdades sobre cirurgias de mamas e amamentação