Oswaldo Steilein construiu uma vida de empreendedorismo em duas nações

Por: Revista Nossa Foto: Arquivo Pessoal
Compartilhe
Publicidade

oral-unic-com-marca-d-agua

Um país se faz com homens de trabalho, talento e sabedoria. Exatamente foi assim a trajetória e o perfil de vida de Oswaldo Steilein. Oswaldo Steilein nasceu em 14 de novembro de 1929, no distrito de Jaraguá (Ribeirão Rodrigues), filho José e Elisabetha Steindel Steilein, família remanescente de origem donauschwaben, de nacionalidade húngara. Em Jaraguazinho, Oswaldo frequentou os três anos do curso primário com 5 hora-aulas e diárias, em conformidade com a legislação destinada às escolas isoladas, em funcionamento na República Velha. O seu professor era Wendelin Schmidt, educador e capelão na comunidade Santa Cruz. Coube a ele a responsabilidade de introduzir o menino Oswaldo Steilein, em contato com o mundo da leitura e da aritmética. As lições escolares oportunizaram uma leitura de mundo, sociedade e cultura. Todavia, foram decisivas durante a sua trajetória de vida. Através delas passou a interagir no mundo do trabalho e dos negócios. Nos anos 40, aos 13 anos de idade saiu de casa para trabalhar de "caixeiro", no Comércio de Secos & Molhados, do Senhor Germano Gascho, em Santa Luzia (Itapocuzinho Alto). Posteriormente, Gascho vendeu o comércio para o Senhor Leopoldo Fiedler, que manteve o jovem Steilein no posto de "caixeiro". Em 1º de outubro de 1949 Oswaldo se tornou membro da família, pois casou-se naquela data com Lucia Fiedler, filha do Leopoldo Fiedler, comerciante afamado. Em 1.950 o sogro Fiedler comprou de Frederico Trapp e Paulo Roberto Gneipel, uma casa comercial no centro de Schröderstrasse e responsabiliza Oswaldo e Max Fiedler para gerenciar. Na sequência, o "caixeiro" Steilein buscou a sua própria emancipação econômica, pois em novembro de 1.951 iniciou o seu ponto comercial, comprado a propriedade do Senhor Henrique Morelle, em Rancho Bom.

foto-1

Oswaldo e Lucia Fiedler Steilein

Através do seu comércio de secos e molhados, Steilein com a esposa Lúcia movimentava a economia local. Para isso, providenciou uma carroça de tração animal de um cavalo e uma bicicleta, meios de transportes que facilitam a vida do comerciante iniciante. Em 1957, Steilein comprava uma caminhonete da marca Opel. No ano seguinte comprou um caminhão usado, para transportar mercadorias e serviços. Em 1959 comprava um caminhão Chevrolet Brasil novo, na concessionária Emmendörfer. A cada ano Steilein revelava-se articulado nos negócios, pois suas ações empreendedoras levou as novas conquistas visando dinamizar o seu jeito criativo de ganhar dinheiro. Assim, trocou a sua caminhoneta Opell pela Ford F ? 350. Isso ocorreu, pois comprou um ponto de comércio em Duas Mamas, a sua filial. Em seguida, o empreendedor partiu para o ramo de instalação de uma queijaria ao lado do comércio de secos & molhados, em Rancho Bom, tornando-se concorrente na compra de leite das queijarias tradicionais, de Alfredo Pasold e Manoel Francisco da Costa. Ainda, hoje, as redes de supermercados de pequeno e grande porte compram a marca criada por Steilein, cuja família Kienen ? remanescentes da imigração húngara ? mantém o ramo que compraram do Senhor Steilein. Assim, construíram a sua própria marca e continuam presentes no mercado regional e competitivo. Para ampliar seu projeto de empreendedor rodoviário partiu para a compra e exportação de bananas, para Uruguaiana-RS, formando uma frota de caminhões com Mercedes trucados. Como se tornou uma referência empreendedora, Steilein, nos ano 60, se engajou no partido do governador Celso Ramos, do PSD e mais tarde no grupo do MDB. Inserido numa legenda partidária, Steilein se tornou entusiasta pela política local. Assim, elegeu como bandeira de proposta de trabalho, a instalação da rede elétrica, em Rancho Bom, cuja conquista trouxe o progresso e a modernidade à comunidade. Em 30 de setembro de 1.961, o Senhor Oswaldo Steilein tomou posse na qualidade de vereador e representante do distrito da Estrada Schroeder, no Legislativo de Guaramirim, com o seguinte compromisso: "prometo exercer com dedicação as funções do meu cargo". Na segunda disputa de vereança Steilein foi reeleito, em 07 de outubro de 1.962. A posse foi no ano seguinte na Câmara de Vereadores da sede do Município de Guaramirim, em 30 de janeiro de 1.963.

foto-3

Celebração do Jubileu de Safira, 65 anos de vida conjugal, em outubro de 2014, de Oswaldo e Lucia Fiedler Steilein. (da esquerda para à direita, Úrsula, Adolar, Adriana e Gisela).

Em 16 de maio de 1.964, na plenária da Câmara de vereadores de Guaramirim é lido o ofício do Senhor Steilein, o qual solicitava a criação do Município de Schroeder. Em anexo a redação do ofício constava um mapa da nova comuna e a assinatura de um abaixo assinado, endossando o pedido coletivo dos moradores da Estrada Schroeder. Em 18 de maio, o Projeto de Resolução nº 03 /64, que tratava da criação do município entrou na primeira discussão de pauta no legislativo de Guaramirim, sob a defesa do Senhor Steilein. A Resolução foi aprovada por unanimidade, e que na mesma perspectiva ocorreu a aprovação posterior em segunda discussão, em 19 e 20 de maio, em terceira discussão. Através do engajamento comunitário ingressou no movimento de difusão do schützenverein com a esposa Lúcia, participando sobretudo, dos eventos nas sociedade Schroeder III (Salão Borchardt) e Salão Schewinski, mesmo sendo descendente de imigrantes húngaros. Obolão também foi outro atrativo social e cultural, pois o casal participava das competições do bolão (kegel), na Sociedade Vitória, em Schroeder III. Conforme o acervo fotográfico do álbum de família, sob a guarda da filha Gisela, há registros das conquistas dos títulos de rei e rainha do casal Steilein, tanto do tiro ao alvo e bolão. Apesar de conquistar um expressivo número de simpatizantes, Steilein, não logrou êxito nas urnas no primeiro pleito para escolha de prefeito de Schroeder, em 03 de outubro de 1965. Como era um cidadão ligado ao empreendedorismo, superou os obstáculos políticos com proeza e determinação, através de árduo trabalho.

foto-2

Presidente da República do Paraguai, Alfredo Strössner em visita à fazenda do Senhor Oswaldo Steilein, no inicio dos anos 80, para conhecer o agronegócio da produção da soja, milho e trigo.

Em 1.973 rumou à República do Paraguai em buscas de novas perspectivas de trabalho. Com o Senhor Higon Mathias foi in loco averiguar as possibilidades de investir na compra de terras. A oferta se revelou tentadora e comprou 15 colônias de terras em prestações, na Colônia Laura, município paraguaio de Hernandarias, sede da Itaipu Binacional. Como a propriedade de latifúndio era de floresta densa e habitada por animais selvagens foi necessário começar pela extração e corte do patrimônio arbóreo e encaminhar as torras às serrarias próximas. Aos poucos a floresta foi substituída pelas culturas do trigo, soja, milho e pasto verde para criação de animais de corte. Steilein vencia uma etapa em seu próspero empreendimento agrícola, pois comprava equipamentos modernos como tratores e colheitadeiras. Através dos implementos agrícolas de última geração a sua propriedade colaborou para melhorar a arrecadação do Município de Hernandaria. O sucesso da sua iniciativa atravessou o território paraguaio e chegou até a capital Assunção. Em certa ocasião, no início dos anos 80, o presidente Alfredo Strössner veio conhecer a fazenda do empreendedor brasileiro ruralista e criativo. Na data, Strössner fez a abertura da colheita anual, para orgulho de Steilein. Nas paredes da casa na comunidade de Laura, há um conjunto de fotos que registram a data do fato histórico ocorrido. Assim, para a posterioridade ficou o feito do descendente de húngaro da Estrada Garibaldi, que transformou a riqueza da terra paraguaia, em um empreendimento de referências de produtividade. Através de ações de planejamento sistematizado, Steilein fez o regime da ditadura Strössner aterrissar em sua propriedade, pois a iniciativa de cultivar grãos valia ouro para a economia paraguaia. Ao todo foram 22 anos de residência na República do Paraguai. Por volta de 1995 passou a residir novamente em Schroeder. Para isso organizou uma equipe de trabalho na fazenda, entre os quais figuravam o filho Adolar e o genro Ivo Ristau (in memoriam).

Publicidade

kantan-gif-360x360

De volta em Schroeder, Steilein passou a participar local e regionalmente da política, apoiando os candidatos da sua preferência e os tornando prefeito e vereador. Em 2009, o casal celebrou o Jubileu de Diamante, 60 anos de vida conjugal, com uma grande festa teuto-brasileira, na Paróquia São Vendelino. Em 03 de outubro 2014, na semana em que Schroeder celebrava os 50 anos de emancipação política, o casal Steilein, também celebravam os 65 de vida conjugal. Em 31 de maio, após longos meses de internamento hospitalar em Blumenau e Jaraguá do Sul, às 19 horas a família comunicava do Hospital São José, o passamento ocorrido naquele entardecer de outono. Centenas de pessoas acompanharam o velório, na Capela Mortuária Municipal de Schroeder. Encerrou-se um fragmento de história do empreendedorismo schroedense e paraguaio. Foi um dos pilares do desenvolvimento daquele município, pois tinha espírito de iniciativa, respeito pelas tradições e forte vínculo pelo mundo do trabalho, a exemplo dos irmãos Tomaselli, Werner Voigt e Eggon João da Silva, todos filhos da terra schroedense.

Por: Ademir Pfiffer

Veja também

1 a cada 3 dos funcionários passará vergonha na festa da firma, segundo estudo
Um trabalhador ouve, em média, sete novas fofocas sobre colegas enquanto faz a social na festa de fim de ano
Veja 5 dicas para acertar no presente de Natal
Confira cinco dicas para acertar nas escolhas
Papai Noel que emocionou Santa Catarina participa do programa Encontro com Fátima Bernardes
Uma linda história que merece o reconhecimento
Vacinações e vermífugos: uma forma simples de cuidado e amor
Coluna Pet com Roberta Saldanha Triviño
Veja 5 dicas para ter um relacionamento saudável
Saiba como ir ao encontro dessa relação duradoura, equilibrada e feliz