Saiba como garçonete jaraguaense ampliou o seu networking pela região

Por: Eduardo Klemtz Foto: Maria Gonçalves
Compartilhe
Publicidade

gif-bread-burguer

Quando o assunto é empreendedorismo feminino, muitas mulheres traçam caminhos corajosos e cheios de obstáculos, a importância de sair de sua zona de conforto e fazer acontecer pode parecer algo assustador, mas para Schênia Françoa Chiodini, o conhecimento é muito mais importante. "Tenho 31 anos, sou formada em Ciências Contábeis, e me sinto honrada em poder falar abertamente sobre a profissão que trabalho, mais especificamente, de garçonete e assistente de eventos. Classifico estas oportunidades como um hobby pago. Indico para as pessoas que têm dificuldade em se relacionar com outros indivíduos, para quem se considera uma personalidade tímida, e para quem quer fazer aquele networking que pode te ajudar profissionalmente no futuro, além de novas amizades. É ótimo para você se integrar de diversas maneiras, que trazem apenas mais uma bagagem positiva para a sua carreira", explica Schênia.

whatsapp-image-2018-04-04-at-13-34-23

Schênia trabalha como contadora durante o dia e é anfitriã pelo aplicativo AIRBNB. A profissional também leciona cursos de técnicas administrativas.
Publicidade

mobile_corpoativo_290x190px

A profissional, que leciona cursos de técnicas administrativas, comenta que ainda existe muito preconceito com a profissão, e que ela gostaria que essa visão antiquada sobre ser um garçom ou uma garçonete fosse diferenciada. "Todo dia aprendemos coisas novas, pessoas diferentes expõem gostos e comportamentos que não conhecíamos. Ensinam outras formas de se posicionar na vida. Por Jaraguá do Sul ser uma cidade pequena, percebi conhecidos meus me questionando e afirmando que eu não precisava trabalhar nesses ambientes, ou até mesmo perguntando por que eu estava me submetendo a isso. As pessoas simplesmente não estão acostumadas com a ideia de que essa profissão pode ser muito mais do que uma obrigação, um fardo, e sim, algo que te traga boas experiências", revela a garçonete.

ooi

"Essa profissão pode ser muito mais do que uma obrigação e um fardo, e sim, algo que te traga boas experiências", destaca.
Publicidade

7738-campanha-abril-gif-paladio-simara

Sempre com muito profissionalismo e credibilidade no que faz, Schênia Françoa Chiodini faz questão de destacar que é preciso trabalhar no que gosta e garantir que suas aspirações estejam sendo ouvidas. "Às vezes a gente não faz as coisas porque precisa, ou por necessidade, só buscamos algo que nos faz feliz, se sentindo bem. Nem sempre o dinheiro ou a posição social que traz esse resultado. Recentemente, um cliente me questionou, interessado em saber no que eu trabalho, ao reportar minhas experiências, o mesmo me classificou como um "fusquinha", pois o fusca nunca deixa a gente na mão? E admito que gostei demais e concordei, e aproveito aqui, para gerar a oportunidade de me disponibilizar a qualquer desafio, caso alguém necessite de ajuda em algum evento. Para concluir, hoje temos que ser autênticos, temos que ter plano A, B, C e D, e estarmos preparados para aprender coisas novas o tempo todo, descobrindo que temos sim outras habilidades para se virar quando necessário, vivendo uma vida profissional sem limites. Não há nada que não possamos fazer, se tivermos humildade de aprender", encerra.

Veja também

Empresários de Guaramirim e Jaraguá do Sul participam de iniciativa que transforma lixo em energia
Projeto da Rede de Óticas Diniz contribui para mudar a realidade da visão infantil
Diniz Social já beneficiou cerca de 50 mil crianças entre seis e 12 anos de escolas públicas de mais de 300 cidades
Tênis vegano é aposta de empresa no Sul
Uma opção descolada e sustentável para quem busca um calçado exclusivo
Católica SC e Hospital e Maternidade Jaraguá desenvolvem projeto com objetivo de rever processos
Parceria prevê melhoria em atendimento de hospital
Curso de direito da Católica SC recebe 5 estrelas no Guia do Estudante
Em sua 28ª edição, o Guia do Estudante 2018 indica os melhores cursos superiores